top of page
  • Foto do escritornutricaoatenta

Aspectos físicos e funcionais de uma UAN hospitalar: layout




As práticas desenvolvidas em disciplinas durante o curso são enriquecedoras e mais enriquecedor ainda são os desdobramentos dos resultados apresentados em eventos científicos.


ASPECTOS FÍSICOS E FUNCIONAIS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO HOSPITALAR: PLANEJAMENTO FÍSICO-FUNCIONAL E LAYOUT


Patrícia Aparecida Piva.; Maria Fernanda Farias Pinto Maia.; Professora Me. Patricia Cintra


Introdução: Um dos objetivos na construção de uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) é atender às recomendações higiênico-sanitárias a fim de evitar a contaminação e prevenir a ocorrências de Doenças Transmitidas por Alimentos, tendo como ponto de partida um adequado planejamento do layout visto que este contribui para o aumento de produtividade, redução de custos e melhores fluxos de produção, evitar cruzamentos desnecessários de gêneros alimentícios e funcionários e auxiliar no dimensionamento de equipamentos.


Objetivo: O presente trabalho tem como objetivo elaborar um planejamento físico-funcional de layout de produção.


Método: O projeto foi desenvolvido em sala de aula a partir de uma situação hipotética em que o nutricionista havia sido contratado para desenhar uma UAN hospitalar com as seguintes características: três turnos de trabalho de segunda a sábado com 08 horas de trabalho/dia e uma equipe de 23 funcionários. O projeto deveria contemplar as áreas de recebimento, distribuição de dietas, higienização de hortifrutigranjeiros e preparo de sobremesas, área de armazenamento com câmaras frias, cozinha geral e cozinha de dietas dotada de equipamentos, além do refeitório com 334m².Para o cálculo das áreas de produção e de estoque foi utilizada a recomendação da Norma Regulamentadora nº 24 e para a adequação sanitária a RDC nº 216/2004 e a Portaria CVS 5/2013.


Resultados esperados: O layout foi projetado de forma que possibilite um fluxo contínuo sem cruzamento de etapas do processo produtivo. O acesso é independente ligado diretamente aos vestiários e sanitários dos funcionários. A área de recebimento é interligada à área de estocagem que possui 67m², onde são armazenados gêneros não perecíveis à temperatura ambiente e não permite cruzamento com outros setores. Os alimentos mantidos sob congelamento ou refrigeração são armazenados em câmara fria e de congelamento localizadas na área de estoque. A área de produção possui 117m² ligada aos vestiários, onde há um lavatório e um depósito de materiais de limpeza. A área de armazenamento de utensílios foi projetada ao lado da pia dupla de modo a facilitar a organização e evitar a contaminação cruzada. A cozinha de dietas especiais é separada da cozinha geral e sua distribuição das dietas é feita em área específica. Há uma área exclusiva para preparo das sobremesas e hortifrutigranjeiros e a distribuição de todas as preparações é realizada através de uma porta e abertura que se comunica com o salão de distribuição. O refeitório possui capacidade para 250 assentos e dotado de sanitários e lavatório para os comensais, além da área de lavagem dos utensílios. A caixa de gordura foi instalada na área externa e as grelhas da área interna em posições estratégicas para facilitar a limpeza. O alojamento do gás e as lixeiras estão localizados na área externa em local confinado.


Conclusão: O layout está em conformidade ao tipo de serviço oferecido e suas especificidades atendem as exigências e recomendações legais. A participação do nutricionista nesse planejamento é imprescindível uma vez que este possui domínio técnico de todo esse complexo e é responsável pela produção de alimentos inócuos e com qualidade nutricional.


Palavras-chave: layout, estrutura física, nutricionista, unidade de alimentação e nutrição.


Referências bibliográficas


ABREU, Edeli Simone de; PINTO, Ana Maria de Souza; SPINELLI, Mônica Glória N. Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. 6. ed. São Paulo: Metha, 2016.


AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0216_15_09_2004.html>

Acessado em: 12 jun. 2023.


FERNANDES, Beatriz Castro; LIRA, Carlos Roberto Nascimento de; FERREIRA, Jeane dos Santos; FONSECA, Maria da Conceição Pereira da. Planejamento físico-funcional: Subsídio para a segurança dos alimentos na produção de refeições. Research, Society and Development, v. 11, n. 3, e46111326844, 2022. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26844.


MACEDO, Joyce Lopes; OLIVEIRA, Amanda Suellenn da Silva Santos; PEREIRA, Irislene Costa; FERRAZ, Josiane da Rocha Silva; ASSUNÇÃO, Magnólia de Jesus Sousa Magalhães. Aspectos físicos e funcionais de uma unidade de  alimentação  e  nutrição  de um  município maranhense. Revista Desafios, v. 7, n. 2, p. 20-28, 2020.


MAIA, Silvana Mara Prado Cysne; ANDRADE, João Lucas Ferreira; AGUIAR, Aryelle Santos; PEREIRA, Camila Pinheiro; COUTINHO, Bárbara Regina da Costa de Oliveira; VIEIRA, Janaina Maria Martins; OLIVEIRA, Karina Pedroza de. Estudo comparativo da adequação da estrutura física em uma unidade da alimentação e nutrição do tipo comercial em relação a legislação vigente, no município de Fortaleza CE. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 6, p. 59238-59248, 2021. DOI:10.34117/bjdv7n6-355.


MEZOMO, Iracema de Barros. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 6. ed. São Paulo: Manole, 2015.


MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA. Norma Regulamentadora n. 24 - NR 24 - Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho. Disponível em: <chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.gov.br/trabalho-e-

previdencia/pt-br/acesso-a-informacao/participacao-social/conselhos-e-orgaos-

colegiados/ctpp/arquivos/normas-regulamentadoras/nr-24-atualizada-2022.pdf> Acessado

em: 12 jun. 2023.

  

SANTANA, Helena Maria Pinheiro. Planejamento físico-funcional de unidades de alimentação e nutrição. Rio de Janeiro: Rubio, 2017.


SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO. Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013. Aprova o regulamento técnico sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Disponível em: <chrome-

extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://cvs.saude.sp.gov.br/up/PORTARIA%

20CVS-5_090413.pdf> Acessado em: 12 jun. 2013.


Como referenciar este post?

CINTRA, Patricia. Aspectos físicos e funcionais de uma UAN hospitalar: layout. Post 474. Nutrição Atenta. 2023.

Instagram: @cintra.nutricionista.

282 visualizações
bottom of page