top of page
  • Foto do escritorSabrina Kaely

Carboidratos e diabéticos: restringir ou não na terapia enteral?



Durante uma internação hospitalar indivíduos que apresentam uma doença crônica como o diabetes, recebem a prescrição dietoterápica para o controle da glicemia e nessa recomendação, a restrição de carboidratos é indicada. Em pacientes hospitalizados

a perda de peso e massa muscular pode contribuir para desfechos clínicos negativos.


Assim, os carboidratos por serem o principal substrato energético consumido em quantidades muito reduzidas, poderia contribuir para o não ganho de peso do paciente e consequentemente redução da massa muscular?


Dessa forma, um estudo realizado recentemente buscou investigar até que ponto o aumento da ingestão de um oligossacarídeo/polissacarídeo, como a maltodextrina de digestão rápida (contendo 25 a 30 unidades de glicose), afetaria a glicemia.


O estudo envolveu 21 participantes (14 com diabetes tipo 2 e 7 sem diabetes) ao

longo de duas semanas. Durante a primeira semana, os participantes com diabetes tipo 2

seguiram uma dieta padrão para diabéticos (250 g de carboidratos por dia), enquanto os

participantes sem diabetes seguiram uma dieta padrão (350 g de carboidratos por dia).

Na segunda semana, a ingestão diária de carboidratos foi aumentada para 400 g em

pacientes com diabetes tipo 2 e 500 g em pacientes não diabéticos. Esse aumento foi

alcançado adicionando 150 g de maltodextrina, dividida em três doses de 50 g,

administradas após a refeição principal.


Os níveis de glicose plasmática foram continuamente monitorados por um sensor subcutâneo. Os resultados mostraram que o aumento da ingestão de carboidratos

não interferiu na compensação do diabetes tipo 2 em pacientes idosos, sem alterações na

quantidade de insulina ou antidiabéticos orais administrados. Além disso, observou-se

uma melhora no controle glicêmico durante a noite, reduzindo o risco de hipoglicemia.


Os resultados sugerem que a restrição adicional de carboidratos, devido à resistência à insulina, pode contradizer os objetivos da terapia nutricional para aumentar o ganho de massa muscular e reduzir a sarcopenia. Segundo os autores a quantidade de carboidratos na dieta deve ser aumentada na nutrição enteral destinada a pacientes nos quais o objetivo do suporte nutricional é a reação anabólica e o aumento da massa e força muscular. A quantidade ideal de carboidratos em futuros produtos destinados a pacientes com resistência à insulina ou diabetes tipo 2 que necessitam de suporte nutricional deve, portanto, ser objeto de estudos futuros.


Leia o estudo na íntegra:

Sobotka, O.; Ticha, M.; Kubickova, M.; Adamek, P.; Polakova, L.; Mezera, V.;

Sobotka, L. Should Carbohydrate Intake Be More Liberal during Oral and Enteral

Nutrition in Type 2 Diabetic Patients? Nutrients 2023, 15, 439.


Como referenciar este post?

MACHIAVELLI, Sabrina Kaely. Os probióticos tem potencial de prevenir atrofia cerebral em idosos?. Post 536. Nutrição Atenta. 2023. Instagram: @nutricionistasabrinakaely.

17 visualizações

Comments


bottom of page