top of page

O perigo dos disruptores endócrinos em alimentos


O que são disruptores endócrinos?


O termo disruptores endócrinos foi definido em 2002 pela OMS/ONU: “Um disruptor endócrino é uma substância exógena ou uma mistura delas que altera função(ões) do sistema endócrino e consequentemente causa efeitos adversos de saúde em um organismo intacto, ou sua progênie ou em (sub)populações”.

Atualmente são conhecidos mais de 25 tipos de disruptores endócrinos.

O problema à saúde acontece porque eles são muito parecidos com os hormônios humanos e, por isso, quando caem na corrente sanguínea, mesmo pequenas quantidades podem:

  • ESTIMULAR a síntese do hormônio

  • INIBIR a síntese

  • DEGRADAR os hormônios

  • Alterar sua DISPONIBILIDADE




Quais são os perigos que os disruptores trazem à saúde?


Disruptores endócrinos em alimentos são um tipo de perigo pouco conhecido e, por isso, muitas vezes, não eficazmente evitado em nossos alimentos. Entretanto o dano que causam à saúde humana é dos MAIS GRAVES.


O dano se vê em bebês e crianças da atualidade como QI baixo, déficit de atenção, hiperatividade, retardamento mental e autismo. Nos adultos atuais observa-se também infertilidade, distúrbios sexuais diversos como feminilização de pessoas do sexo masculino, tumores diversos e câncer.


De onde vem este perigo?


A origem é diversa. Hoje vivemos mergulhados em um mar de disruptores endócrinos. Como nos contaminamos? Uma parte deles é absorvida pela pele, outra pela respiração e outra veiculada por alimentos e bebidas.


Veja na tabela abaixo de onde vêm e como os principais disruptores endócrinos contaminam os alimentos:


Origem do disruptor endócrino

​Exemplo do disruptor endócrino

Como contaminam os alimentos

Referência

Agrotóxicos

Organoclorados e organofosforados. Ex: clorpirifós que foi proibido nos EUA, mas é permitido no Brasil.

Uso na produção agrícola, portanto podem vir nas matérias-primas . O uso agrícola pode contaminar as fontes de água que são captadas pelas empresas de alimentos

Pesticidas usados no controle de pragas


Cipermetrinas

Uso no controle de pragas das empresas de alimentos

Detergentes

Noanil Fenol

Resíduos de detergente

Embalagens de alimentos

Bisfenóis, Ftalatos, Bifenilas, Policlorinadas (PCBs), perfluoratos como o PFOA, ácido poerfluoroctanóico

Uso de embalagens de alimentos com esses compostos

​https://www.tireoide.org.br/os-disruptores-endocrinos-e-a-tireoide/

Cosméticos

Triclosan em sabonetes antibacterianos e shampoos

Não contaminam os alimentos

sem referência

Existe legislação brasileira sobre o assunto?


A legislação brasileira vem avançando para evitar esses disruptores na água potável, pois, por exemplo, incluiu a análise de epicloridrina na portaria 888 de maio de 2021 (máximo 4 ppb). A epicloridrina se une ao bisfenol A para formar as resinas epóxi largamente utilizadas na fabricação de móveis como cola e acabamento, para impermeabilização, como adesivo na recuperação de superfícies e também como piso. A ANVISA também mudou na portaria 888 os critérios de surfactantes e assim pretende melhorar o controle de substâncias como o nonil fenol etoxilado. Como essas resinas acabam voltando para os mananciais de água, a ANVISA busca evitar esses disruptores endócrinos cobrando análises completas da água utilizada pelas empresas de alimentos. No entanto muitos outros disruptores ainda não foram incluídos na portaria 888.


Já as legislações brasileiras sobre disruptores endócrinos nas embalagens de alimentos são bem mais completas. Apesar de não citar este nome, abrangem diversos deles, principalmente a RDC 326 de 2019 – Lista Positiva de Aditivos e a RDC 589 de 2021 Lista Positiva de Monômeros em embalagens Plásticas.


Diante desse perigo real atual, o que podemos fazer?

  • Dar preferência às matérias-primas limpas, como as orgânicas

  • Substituir o controle de pragas com cipermetrinas por controle biológico, ozônio nos ambientes ou outra técnica alternativa

  • Estudar antes de comprar se os produtos de limpeza possuem nonil fenol etoxilado em sua composição

  • Descontaminar as águas com ozônio. Como podemos ver aqui no artigo “Água Contaminada no Brasil e Sugestões para Reduzir o Problema em Indústrias de Alimentos”, o ozônio é eficaz para eliminar esses disruptores endócrinos das águas e tem sido empregado globalmente em conjunto com outras tecnologias e reagentes no tratamento de água.

  • Descontaminar as águas com carvão ativo que retêm muitos desses disruptores.

  • Evitar comprar e usar embalagens nos alimentos com os compostos citados acima.

Referências

  1. WAISSMANN, William. Health surveillance and endocrine disruptors. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro: v.18, n.2, mar./abr. 2002.

  2. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/trabalhador/pdf/texto_disruptores.pdf

  3. Parsons, S.A. and Jefferson, B. (2005) Introduction to Potable Water Treatment Processes,Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd.Poretti, M. (1990) Quality control of water as raw material in the food industry, Food Control,1(2): 79–83.

  4. FOOD SAFETY BRAZIL. Disruptores endócrinos em alimentos. Disponível em: https://foodsafetybrazil.org/disruptores-endocrinos-em-alimentos/. Acesso em: 5 dez. 2022.


Como referenciar este post?


CINTRA, Patricia. O perigo dos disruptores endócrinos em alimentos. Post 366. Nutrição Atenta. 2022.

Instagram: cintra.nutricionista.

16 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page