top of page
  • Foto do escritornutricaoatenta

Desenvolvimento de produto: massa proteica funcional

Atualizado: 5 de ago. de 2023




TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ANDAMENTO


PRODUCT DEVELOPMENT: FUNCTIONAL PROTEIN PASTA

KARINE GONÇALVES DE SOUZA SOARES

Graduanda em Nutrição pelo Centro Universitário Unigran Capital.

Rua. Abrão Júlio Rahe, 325, Centro, Campo Grande – MS.


PATRICIA CINTRA

Mestre em Ciências dos Alimentos pela Universidade de São Paulo.

Docente no Centro Universitário Unigran Capital. Rua. Abrão Júlio Rahe, 325, Centro, Campo Grande – MS. E-mail:patricia.cintra@unigran.br.


Trata-se de uma pesquisa experimental, descritiva, quantitativa e observacional transversa que relatará a formulação, a ficha técnica de preparo adaptada de Domene (2018), o custo das preparações e tabela de informação nutricional dos produtos. Para base teórica, será realizada revisão bibliográfica a partir da consulta em plataformas de pesquisa como a Pubmed e Scielo nos idiomas português e inglês.

Esta pesquisa não será encaminhada ao Comitê de Ética e Pesquisa, por não se tratar de pesquisa com seres humanos. Será feita uma verificação de aspectos sensoriais pelas autoras, apenas.

A realização do experimento deste estudo acontecerá na cozinha experimental do Centro Universitário Unigran Capital. Os ingredientes serão adquiridos em comércio local.

Os testes realizados para a elaboração da massa proteica funcional serão divididos em três etapas, considerando três concentrações diferentes: 20, 30 e 50% da farinha de amêndoa, 10, 15 e 20% de farinha de linhaça e aveia em substituição à farinha de trigo. A formulação das massas foi adaptada do método 10-50D, descrito pela AACC. O whey protein será adicionado as massas nas concentrações 20, 35 e 50g respectivamente.

De acordo com as autoras, pode-se observar no (QUADRO 3) os ingredientes que serão utilizados para fabricação da massa. No processo de fabricação serão utilizados equipamentos de proteção individual e cuidados de boas práticas de fabricação para evitar a contaminação dos alimentos.

O custo da preparação será calculado de acordo com os valores observados no mercado local de Campo Grande – MS, no período de fabricação e as quantidades dos ingredientes serão determinadas de acordo com as porções utilizadas para a formulação.








Referências bibliográficas


ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Análise Sensorial - Vocabulário. ABNT NBR ISO: 5492: Rio de Janeiro, 2017.


AMÉRICAN ASSOCIATION OF CEREAL CHEMISTS. Approvad methods. 9th ed. Saint Paul, 1995. v2.


COLUSSI, R. et al.Aceitabilidade e estabilidade físico-química de barras de cereais elaboradas à base de aveia e linhaça dourada. Brazilian Journal of Food Technology. Campinas, v. 16, n. 4, p. 292-300, out./dez. 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-67232013005000035


CUNHA, D. T. et al. Linhaça. In: FARIAS, D. F. et al. (Org.). Tabela brasileira de composição de alimentos. 5.ed. Campinas, SP: NEPA-UNICAMP, 2016. p.397-401.


FAO/OMS. (2011). Carboidratos na nutrição humana. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, Organização Mundial da Saúde.


MARTÍNEZ-CERVERA, S., SALVADOR, A., FISZMAN, S., & HERNANDO, I. Funcionalidade de Proteínas em Sistemas Alimentares: Uma Revisão. Food Biophysics, 13(1), 1-25. 2018.


NOREÑA, C. P. Z., DESOBRY, S. A., & GUERRA-HERNÁNDEZ, E. Proteínas em alimentos: funcionalidade e aplicações em sistemas alimentares. Ciência Rural, 49(6), e20190025. 2019.


PHILLIPS, S. M. Suplementos nutricionais em apoio ao exercício resistido para combater a sarcopenia relacionada à idade. Advances in Nutrition, 8(2), 295S-306S. 2017.


ROCHA, D. M.; et al. Efeitos das fibras na saúde: uma revisão. Revista de Nutrição, v. 31, n. 1, p. 25-34, 2018.


SILVA, Gabriela de Souza., CINTRA, Patrícia Cintra.; MASSULO, Andreia de Oliveira.; DA SILVA, Lucas de Melo. Bread with Pennisetum glaucum (L. R. Br.) seed flour: food product development. Collection of international topics in health science:

Bread with Pennisetum glaucum (L. R. Br.) seed flour: food product development. https://doi.org/10.56238/colleinternhealthscienv1-034.


SILVA, F. L. H. et al. Utilização da farinha de amêndoa na panificação sem glúten. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v.20, n.1, p.1-8, 2018.


SILVA, L. S. da, TEIXEIRA, T. M., SCHIMIDT, F., SILVA, L. S. da, TEIXEIRA, T. M., & SCHIMIDT, F. Utilização de whey protein em formulações culinárias como fonte de proteína de alta qualidade. Brazilian Journal of Development, 4(12), 29311-29322. 2018.


SOUZA, F. F. et al. Spinach in natura as an alternative source of bioactive compounds for enriching pasta. Food Science and Technology, v. 40, n. 1, p. 69-76, 2020.


SOUSA, L. P. et al. Características químicas e benefícios do consumo de sementes de linhaça. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.13, n.1, p.144-149, 2018.


SLAVIN, J. (2004). Grãos integrais e saúde humana. Revisão de Pesquisas em Nutrição, 17(1), 99-110.


VIEIRA, G. R. et al. Utilização de farinhas e ingredientes funcionais em massas alimentícias: uma revisão. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 78, n. 3, p. 417-424, 2019.


WILLIAMS, P. G. Os benefícios do consumo de cereais no café da manhã: uma revisão sistemática da base de evidências. Avanços em Nutrição, 2014.


YOSHIDA, C. M. P. et al. Benefícios à saúde do consumo de aveia e seus produtos. Revista de Nutrição, v. 30, n. 5, p. 695-707, 2017.


Como referenciar este post?

CINTRA, Patricia. Desenvolvimento de produto: massa proteica funcional. Post 489. Nutrição Atenta. 2023.

Instagam: @cintra.nutricionista


116 visualizações

Комментарии


bottom of page