Quanto vale a busca pelo emagrecimento?

Pessoas gordas não são novidade. Mulheres gordas, especialmente, surgiram na arte e em artefatos ao longo dos séculos: um exemplo mais antigo de uma mulher imensamente gorda é a Vênus de Hohle Fels. Desenterrada há não muito tempo na Alemanha, é uma estatueta feita em marfim de mamute com idade estimada de 35 mil anos.

Fazer dieta também não é uma novidade, existem registros de como pessoas corpulentas – como eram referidas as pessoas gordas no século I – deviam se alimentar e se movimentar para perder toda a gordura corporal. Alguns aconselhamentos médicos da época, para nós parecem bem confusos, alguns sensatos e outros desaconselháveis como por exemplo o vômito induzido. Certamente essa prática hoje é totalmente desaconselhada (inclusive é tratada como um transtorno alimentar), porém para Hipócrates 460 a.c a “prescrição médica” do vômito era útil para quase todos os males, ela aconselhava da seguinte forma: “Indivíduos gordos devem vomitar no meio do dia, após exercícios de corrida ou marcha e antes de ingerir qualquer alimento. ”


Correndo um pouquinho pela linha do tempo das dietas (que documentadas pela história, parecem sempre se repetir, mudando apenas as pessoas que as fazem sem sucesso), nos anos 2000 o cardiologista americano Robert Atinks (1930 – 2003) criador da famosa dieta que leva seu nome e prega redução dos carboidratos, estava no auge da fama. Estima-se que sua dieta era seguida pelo menos por um em cada onze americanos. Mais de 10 milhões de cópias de seu livro foram vendidas pelo mundo, rendendo ao médico belas cifras da moeda americana. Segundo uma publicação na revista “Isto é dinheiro” o doutor deu vida a uma indústria que movimenta anualmente US$ 20 bilhões no mundo.


A indústria da dieta está centrada na exploração e no lucro!


A Federal Trade Commission - FTC (“Protegendo os Consumidores da América”) recuperou cerca de 25 milhões de dólares referentes a alegações sobre propaganda enganosa de produtos dietéticos. “Pagar por um modismo científico é uma boa maneira de perder dinheiro, não peso” afirma a presidente da FTC. Também é uma boa maneira de perder saúde, confiança e até mesmo a vida. Somos uma cultura em busca da dieta perfeita, do emagrecimento a qualquer custo, e como prova disso há uma porção de pessoas infelizes e inseguras por aí. Milhares de mulheres (infelizmente é a porção mais afetada pela indústria das dietas) tentam encaixar-se em um padrão corporal que como consequência pode custar a própria vida.


“O atual excesso de autodepreciação, vergonha e infelicidade sem sentido de tentar e não conseguir ser a criatura ideal que nossa sociedade deseja precisa ser repensado. Devemos nos rebelar contra a futilidade da atual norma de beleza ocidental explorando e expondo a longa e suja história da modelagem do corpo e das dietas, para que possamos empreender a mudança crucial, passar dessa escravidão para uma dieta que seja fisiológica e psicologicamente saudável”


Este é um artigo de opinião com citações do livro - A tirania das dietas, da autora Louise Foxcroft (Doutora em história da medicina pela universidade de Cambridge).


Como referenciar este post?


MACHIAVELLI, Sabrina. Quanto vale a busca pelo emagrecimento?. Post 230. Nutrição Atenta. 2021. Instagram: @nutricionistasabrinakaely

21 visualizações